De Povos Indígenas no Brasil

News

Povo Rikbaktsa celebra dia internacional protegendo a floresta

30/07/2018

Fonte: Ciruito Mato Grosso http://circuitomt.com.br//index.php



No próximo dia 9 de agosto é celebrado o Dia Internacional dos Povos Indígenas, estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) para marcar as lutas pelos direitos dos povos indígenas do mundo todo. Em Mato Grosso, o povo Rikbaktsa vai comemorar o dia celebrando a proteção da floresta através da cadeia produtiva da castanha-do-Brasil.

Proteger a floresta é um bom negócio. Este é o lema do projeto Pacto das Águas que apoia a organização associativa dos povos nas terras indígenas Japuíra e Escondido, ambas no noroeste do estado. Com o apoio do projeto, os coletores de castanha das duas comunidades aprimoram as práticas de coleta e armazenamento da amêndoa e aprendem a se relacionar de forma mais justa com os compradores. O projeto ainda apoia a construção de locais para armazenamento dos estoques na sede das duas associações: a Associação Indígena Abanatsa e a Associação Indígena Rikbaktsa Tsirik.

Leonardo Rikbaktsa, presidente da Tsirik, conta que o trabalho tem permitido a sustentação da comunidade na Terra Indígena Japuíra com a produção de castanha, já que a melhora das técnicas de coleta e a estrutura de armazenamento permitem que eles vendam a castanha com melhor preço no mercado.

"Nós Rikbaktsa realmente preservamos a mata, os rios. Somos um povo que vive da natureza mesmo, de tudo que a natureza oferece pra nós. A produção de castanhas consegue nos sustentar e o projeto oferece força pra gente dar continuidade nesse trabalho" aponta Leonardo, que completa: "O povo Rikbaktsa não tem destruição com madeira nem minérios, a gente é envolvido com a natureza mesmo."

Se a notícia de que o mercado da castanha realmente tem permitido a sustentação econômica para os povos indígenas é boa, também soa um alerta. Emerson de Oliveira Jesus, coordenador técnico do projeto, tem uma preocupação com relação a cadeia produtiva a longo prazo. Ele explica que a castanha-do-brasil originalmente era produzida quase que exclusivamente pelas comunidades tradicionais, povos indígenas e pequenos agricultores, que coletam a amêndoa na floresta. Mas com o aumento da demanda, isso tem mudado.

Emerson conta que já existem proprietários de grandes áreas de manejo florestal empregando seus funcionários para coletar a castanha nessas áreas, bem como um maior número de pessoas recuperando áreas degradadas com plantio de castanheiras.

"Se por um lado é bom ter esta espécie se reproduzindo em larga escala, por outro lado a gente se preocupa com o fato da castanha estar entrando na escala do agronegócio, correndo o risco de acontecer o mesmo que aconteceu com a borracha, que era um produto da Amazônia extraído por seringueiros e indígenas e hoje é praticamente toda originada em plantações comerciais no Sudeste", explica Emerson.

Para o projeto Pacto das Águas, o fortalecimento das comunidades indígenas e extrativistas é fundamental para que eles tenham condições de se manter num mercado e transformação. Dar visibilidade a estas comunidades é outra forma de garantir sua sustentabilidade, oferecendo ao mercado a opção de comprar um produto coletado de forma responsável e com garantia de proteção da floresta.

Mudanças climáticas

O Projeto Pacto das Águas é patrocinado pela Petrobras e tem como objetivo principal promover o uso sustentável da sociobiodiversidade, com povos indígenas e comunidades tradicionais das Terras Indígenas Japuíra e Escondido e da Resex Guariba Roosevelt. As ações são parte de uma estratégia de emissões evitadas para mitigação do aquecimento global e das mudanças climáticas pela conservação da floresta em pé no Noroeste de Mato Grosso.

O Dia Internacional dos Povos Indígenas foi criado em 1994. A ONU estima que há 370 milhões de indígenas no mundo, vivendo em 90 países. Eles representam menos de 5% da população mundial, mas respondem por 15% dos mais pobres e falam a esmagadora maioria dos 7.000 idiomas existentes do mundo. No Brasil, existem 225 etnias indígenas.

http://circuitomt.com.br/editorias/cidades/132183-povo-rikbaktsa-celebra-dia-internacional-protegendo-a-floresta-em-mt.html
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source